<%@ Language=VBScript %> Ordem dos Frades Menores Capuchinhos

PAZ e BEM! Bem-vindo à Página dos Frades Missionários Capuchinhos

Página Principal


São Francisco Assis


Espírito de Assis


Porciúncula


Ordem Capuchinhos


Missão em Timor


Onde Vivemos


Espaço Jovem


Música


Apontadores


 
Actualidade

Frei Herculano defendeu tese de Doutoramento

Frei Herculano defendeu tese de Doutoramento

 “A BÍBLIA de João Ferreira Annes de Almeida”:

tal foi o tema da tese de doutoramento em Teologia Bíblica

brilhantemente defendida por frei Herculano Alves

na Universidade Pontifícia de Salamanca,

no passado dia 26 de Abril.

Frei Herculano Alves (à direita) no final da defesa da sua tese de doutoramento

O motivo da tese tem a ver com a opção fundamental dos Capuchinhos em Portugal, que em 2005 celebram o 50º aniversário da sua dedicação à Pastoral Bíblica (nomeadamente, da fundação da Difusora Bíblica e da revista Bíblica) e os 40 anos da Bíblia Sagrada editada pela Difusora Bíblica em 1965.

Aquela BÍBLIA de Almeida tem sido impressa aos milhões pelas Sociedades Bíblicas (protestantes), desde o longínquo ano de 1681, em que foi impresso pela primeira vez o Novo Testamento; mas não tem recebido muita atenção por parte de historiadores, filólogos, literatos e exegetas, sobretudo portugueses. Por isso, na sua tese, frei Herculano pretende responder a esta lacuna, apresentando um estudo sobre a génese, o contexto histórico, cultural e religioso, assim como sobre a origem linguística desta Bíblia, a primeira em Português. A tese é, pois, em si mesma, uma novidade, além de apresentar várias novidades concretas.

Porquê o estudo de uma Bíblia protestante feito por um católico? O autor oferece duas respostas à questão, a partir de duas perspectivas diferentes: em primeiro lugar, esta BÍBLIA foi estudada como documento neutro, isto é, como um documento literário importante da literatura religiosa portuguesa do século XVII-XVIII; em segundo lugar, foi estudada como documento propriamente bíblico – e, neste caso, pretende-se responder ao Concílio, que pede à Igreja um trabalho ecuménico com “os nossos irmãos separados”.

O tema geral desenvolve-se em cinco capítulos, que pretendem dar razão da BÍBLIA de Almeida partindo de diferentes perspectivas: perspectiva biográfica (cap. II): permite-nos conhecer o sujeito da obra bíblica; perspectiva histórico-geográfica (cap. III): dá a razão do aqui e agora da obra; perspectiva de análise histórica bastante minuciosa de cada uma das obras de Almeida (cap. IV); perspectiva de crítica interna do texto de Almeida (cap. V).

Nesta sua investigação, o autor procurou o maior número possível de dados históricos e literários possíveis, nas principias Bibliotecas europeias e brasileiras. A literatura holandesa é a que mais fala do autor português, pois ele viveu quase toda a sua vida com os holandeses calvinistas.

Em conclusão, este trabalho esclareceu grande parte do mistério que envolvia a biografia de Almeida. Vulgarmente, o que dele se sabia era vago e errado. Agora, conhecemos as etapas mais importantes da sua vida, entre Mangualde e Batávia (Jakarta), passando por Lisboa, Holanda, Malaca, Ceilão e Sul da Índia; e fez-se luz sobre a sua obra literária nas múltiplas vertentes (de tradutor, de polemista e de biblista).

Este último aspecto foi enriquecido com um Catálogo das Obras Bíblicas de Almeida, o único conhecido, e que constitui parte substancial da tese. Uma das grandes novidades desta tese, foi a descoberta do Novo Testamento de 1681 corrigido à mão pelo seu autor e que estava “perdido” na Bi-blioteca Nacional de Lisboa. É o único exemplar existente no mundo. A tese mostra que esse livro se encontra em Lisboa, e não em Londres, como se dizia. Outra conclusão importante do autor, é que não temos argumentos seguros para afirmar que Almeida traduziu a sua BÍBLIA directamente dos textos originais; a grande novidade do primeiro tradutor da BÍBLIA para Português, esteve no facto de ter concebido um projecto para esse efeito. A sua tradução manifesta claramente que o autor de Mangualde promoveu ainda mais no Oriente, no século XVII, a Língua Portuguesa, que foi a língua franca nas costas de África e Ásia nos séculos XVI-XVIII.

A BÍBLIA de Almeida foi editada inicialmente em Batávia (Jakarta), mas também em Tranquebar no Sul da Índia, onde existia uma missão luterana dinamarquesa. Só três séculos depois, um biblista português se interessou a fundo pelo trabalho do seu “colega” de Mangualde. E colega porque, além de biblista, o frei Herculano coordenou uma vasta equipa que em 1998 realizou a tradução da Bíblia Sagrada para a nossa língua, a partir dos originais, editada pela Difusora Bíblica.

Daí só agora poder apresentar a sua tese de doutoramento. E ser, também por isso, credor dos nossos parabéns. Até porque todo o trabalho desta equipa foi cuidadosamente arquivado por ele, de modo a poder ser também, num futuro mais ou menos próximo, objecto de outra tese de doutoramento.

Frei Lopes Morgado

 

 
Página Principal | Capuchinhos em Portugal | Contactos | Ficha Técnica | Sugestões

© 2005 Ordem dos Frades Menores Capuchinhos (Portugal)