<%@ Language=VBScript %> Ordem dos Frades Menores Capuchinhos

PAZ e BEM! Bem-vindo à Página dos Frades Missionários Capuchinhos

Página Principal


São Francisco Assis


Espírito de Assis


Porciúncula


Ordem Capuchinhos


Missão em Timor


Onde Vivemos


Espaço Jovem


Música


Apontadores


 
A Paz na Bíblia

Dos «Poços da Discussão» à Aliança de Paz!

Isaac fez as suas sementeiras naquelas terras (Guerar) e , no mesmo ano, recolheu cem vezes mais, pois o Senhor abençoara-o. E este homem tornou-se rico, e foi aumentando cada vez mais a sua fortuna, até chegar a ser extraordinariamente poderoso. Possuía rebanhos de toda a espécie, de gado miúdo e graúdo, e numerosos servos. Por isso, os filisteus tiveram inveja de Isaac. Todos os poços que tinham sido abertos pelos servos do seu pai Abraão, quando ele ainda vivia, foram obstruídos pelos filisteus, enchendo-os de terra.

E Abimélec disse a Isaac: «Vai-te embora daqui, pois agora és muito mais poderoso do que nós». Isaac partiu, e, erguendo as suas tendas na corrente de Guerar, ali resolveu permanecer. Isaac abriu novamente os poços que tinham sido abertos no tempo de Abraão, seu pai, e que os filisteus entulharam após a morte de Abraão, dando-lhes o mesmo nome que o pai lhes tinha dado.

Os servos de Isaac, prosseguindo as suas escavações no vale, descobriram uma nascente de águas vivas, mas os pastores de Guerar entraram em conflito com os pastores de Isaac, e disseram: «Esta água pertence-nos». Então, Isaac a esse poço chamou «poço da Discussão», por lhe terem impugnado falsamente a sua propriedade.

Abriram um outro poço e logo surgiu nova discussão; por isso, chamou-o «poço de Reclamação». Partiu imediatamente dali, e, mais adiante, abriram um poço, a respeito do qual não houve discussões, e deu-lhe o nome de «poço de Largueza», porque ele disse: «O SENHOR agora deu-nos largueza, e havemos de prosperar nesta terra.»

Depois, Isaac subiu dali para Bercheba. O SENHOR apareceu-lhe naquela noite e disse-lhe: «Eu sou o Deus de Abraão, teu pai. Nada temas, pois estou contigo. Abençoar-te-ei e multiplicarei a tua descendência, por causa de Abraão, meu servo.» Isaac construiu um altar naquele sítio e invocou o nome do SENHOR; depois, levantou ali também a sua tenda, e os seus servos abriram ali um poço. Abimélec partiu de Guerar em companhia de Auzat, seu amigo, e de Picol, chefe do seu exército, e foi ter com Isaac. Isaac disse-lhes: «Qual a razão que vos traz até junto de mim, vós que me odiais e me expulsastes da vossa terra?» Eles responderam: «Porque é evidente que o SENHOR está contigo, e dissemos: É indispensável um juramento entre nós e ti. Queremos, portanto, fazer uma aliança contigo. Jura que não nos farás mal algum, assim como nós nunca te maltrataremos e só te fizemos bem, deixando-te sair em paz. Tu, agora, és abençoado do SENHOR.» Isaac ofereceu-lhes um banquete, e eles comeram e beberam. No dia seguinte, de manhã, ficaram unidos, por juramento, um ao outro; depois, Isaac despediu-os, e eles afastaram-se em paz, da sua presença.

Génesis 26,12-31 (Tradução da Difusora Bíblica)

Breve comentário:

Na Bíblia, Paz (shalom) significa todo o género de felicidade. Se no Novo Testamento se trata da felicidade do Reino messiânico, no Antigo Testamento ela é sobretudo uma felicidade material. O texto do Génesis acima transcrito deixa claro que a busca dessa felicidade material sempre foi causa de conflitos e discussões entre as pessoas e os povos. No caso do nosso texto, entre Abimélec (o povo dos filisteus) e Isaac (o povo de Israel). Uma questão tão simples e tão banal fez com que os pastores de Abimélec entrassem em conflito com os de Isaac. Esta questão de saber a quem pertencem os poços e a água, é motivada sobretudo pela inveja dos filisteus em relação a Isaac, ao verem que a sua riqueza aumentava consideravelmente (Gn 26,13-14). Isaac procura a paz e contorna a situação de conflito abrindo outros poços, até que consegue abrir um a respeito do qual não houve discussões (Gn 26,22). Chega um momento em que Abimélec procura Isaac para concluir com ele uma aliança de paz (Gn 26,26-31). Não porque estivesse convencido do valor da paz em si mesmo, mas por medo de Isaac e do mal que lhe pode vir a fazer, pois o Senhor está com ele (Gn 26,28).

Histórias de tempos antigos? Antes fossem! Quem não vê hoje as pessoas entrarem em conflito por coisas mais banais ainda que estas? Quantas vezes a questão da herança e das partilhas não geram a divisão em famílias antes tão unidas? Procuremos todos a Paz. Não por medo. Mas pelo respeito da justiça e pelo valor que é a paz em si mesma.

frei Fernando Alberto

 

 
Página Principal | Capuchinhos em Portugal | Contactos | Ficha Técnica | Sugestões

© 2005 Ordem dos Frades Menores Capuchinhos (Portugal)