PAZ e BEM! Bem-vindo à Página dos Frades Missionários Capuchinhos

Página Principal


São Francisco Assis


Espírito de Assis


Porciúncula


Ordem Capuchinhos


Missão em Timor


Onde Vivemos


Espaço Jovem


Música


Apontadores


 
Encontro com a Bíblia

Domingos e festas de Dezembro e Janeiro

 

Domingos e festas de Dezembro e Janeiro

Com S. Lucas na escola do Evangelho

Com o I Domingo do Advento, a 3 de Dezembro,

abre o novo ano litúrgico 2006-2007 (Ano C), durante o qual S. Lucas vai ser o Evangelista mais lido nos Domingos e Festas. Continuarei a comentar os textos do Evangelho, com algumas referências às outras Leituras bíblicas do mesmo dia.

 

 

Nesta série de artigos, já escrevi três vezes sobre o Evangelho de Lucas, a propósito dos seus textos lidos nos Domingos do Tempo Comum, da Paixão e da Páscoa. Tive, então, a oportunidade de sublinhar algumas das suas características principais: Lucas é o Evangelho da misericórdia, do caminho, do apostolado, do Espírito Santo, da oração, da sensibilidade social, da salvação e do serviço. Mas tem outras características não menos importantes, como veremos nos Evangelhos comentados agora e nos próximos meses.

 

 

Da leitura privada à proclamação litúrgica

 

Para conhecer um Evangelho, não basta ouvir os textos proclamados na Liturgia: é preciso lê-lo todo. É a primeira sugestão que dou a cada leitor desta página: abra o Evangelho de S. Lucas e leia-o todo seguido, quanto antes. Porquê? Porque a leitura de um Evangelho, nos Domingos e Festas do ano litúrgico, não é contínua nem cronológica. Para captar a frescura da sua mensagem, hoje, é preciso enquadrá-lo no contexto histórico e sociológico em que nasceu, no livro de que faz parte e nos objectivos catequéticos do autor.

 

Os textos bíblicos lidos na Missa foram escolhidos à luz dos objectivos definidos pela Igreja na Constituição sobre a sagrada Liturgia, do Concílio Vaticano II, nº 51, a 4 de Dezembro de 1963: «apresentar aos fiéis com maior abundância a mesa da palavra de Deus, abrir-lhes mais amplamente os tesouros bíblicos e ler ao povo, dentro de determinado espaço de tempo, a parte mais importante das Santas Escrituras.»

 

Um Conselho concretizou essas orientações no Ordenamento das Leituras da Missa”. Tal Ordenamento foi aprovado pelo papa Paulo VI na Constituição Apostólica MISSALE ROMANUM, de 3 de Abril de 1969, e promulgado pela Sagrada Congregação do Culto Divino em 25 de Maio, entrando em vigor a 30 de Novembro, I Domingo do Advento. Daí nasceram os actuais “Leccionários” (do latim lectio, leitura), os livros por onde são proclamadas as Leituras na Liturgia. Vejamos os textos em concreto.

 

 

O Evangelho de Lucas lido no Advento

 

»» No I DOMINGO DO ADVENTO (3 de Dezembro), o texto do Evangelho é Lucas 21,25-28.34-36. Escrevendo por volta dos anos 80-90, Lucas conhecia a destruição de Jerusalém pelo exército romano de Tito, no ano 70. Por isso, Jesus fala expressamente dela, no seu Evangelho; e o evangelista serve-se desse facto histórico para tornar mais clara a mensagem do Juízo final (Lc 19,43-44; 21,20-24). Logo a seguir, vem o texto deste Domingo.

 

Nele, o Senhor fala da sua vinda no fim dos tempos, numa linguagem própria dos “apocalipses” envolta em sinais cósmicos espectaculares. Sublinho os seus imperativos: «Levantai a cabeça, «Tende cuidado convosco», «Vigiai e orai em todo o tempo». Palavras de esperança, de alerta e atenção permanente, para não sermos surpreendidos por «esse dia», que não conhecemos nem controlamos.

 

A melhor prevenção é a atitude de espírito sugerida pelo refrão do Salmo Responsorial: «Para Vós, Senhor, elevo a minha alma»; pois Ele «é bom e recto, ensina o caminho aos pecadores, orienta os humildes na justiça e dá-lhes a conhecer os seus caminhos» (Sl 25). E, paralelamente, «crescer e abundar na caridade uns para com os outros e para com todos», como recomenda Paulo (2ª Leitura: 1 Ts 3,12-4,2). Porquê? Porque no fim é Deus quem nos julga e porque seremos todos julgados pelo amor.

 

»» Em pleno Tempo do Advento, a solenidade da IMACULADA CONCEIÇÃO, por privilégio celebrada em Portugal a 8 de Dezembro, vem lembrar-nos duas coisas.

 

:: Primeira: se já vemos a luz da Redenção na Lua ou na Aurora, é porque Sol – o Messias – está muito próximo. Pois a Virgem Maria foi «cheia de graça» desde o primeiro instante, por antecipação dos méritos de seu Filho, o descendente por excelência da mulher, que esmagou a cabeça do Mal (1ª Leitura: Gn 3,9-15.20). Daí o bom enquadramento desta celebração no Tempo de caminhada para o Natal de Jesus: com Maria, tomamos consciência de que «foi n’Ele, também, que Deus nos escolheu e destinou de antemão a sermos seus filhos adoptivos e herdeiros» (2ª Leitura: Ef 1,3-6.11-12).

 

:: Segunda: se temos um feriado “oficial” para honrar o privilégio de Maria, exactamente a 8 de Dezembro – o 1º dia dos 9 meses que ela passou no seio da mãe, completados a 8 de Setembro, festa do seu Nascimento – não faz sentido celebrar o 1º instante da sua “vida humana” e negar a vida humana de um feto ou admitir a interrupção voluntária do seu desenvolvimento… até às 10 semanas!

 

Nesta “Narrativa de Infância” (1,26-38), Lucas dá a Maria o relevo que Mateus concede à figura de José. Escrevendo para gentios, Lucas não tinha os condicionamentos de Mateus, que dirigiu o seu Evangelho aos judeus, para os quais a mulher não podia tomar a iniciativa nem ter um papel superior ao do seu esposo, como acontece com Maria relativamente a José.

 

»» A No II DOMINGO DO ADVENTO (10 de Dezembro), o profeta Baruc exorta Jerusalém, enquanto símbolo do povo e do país: «Deixa a tua veste de luto e de aflição, reveste a glória do Senhor, cobre-te com o manto da justiça que vem de Deus, coloca na cabeça o diadema da glória do eterno, levanta-te… porque Deus conduzirá Israel na alegria» (1ª Leitura: Br 5,1-9). E o Salmo 126 vem confirmar o cumprimento da promessa, evocando o regresso triunfante dos cativos: «O Senhor fez maravilhas em favor do seu povo.»

 

Lucas concretiza a promessa no tempo de Jesus, contextualizando histórica e politicamente o aparecimento de João Baptista que lhe vem preparar o caminho, e universaliza a esperança de Israel ao citar Isaías. A estrofe do Aleluia, antes do Evangelho, sintetiza-o bem: «Preparai o caminho do Senhor, endireitai as suas veredas e toda a criatura verá a salvação de Deus» (Lc 3,1-6). Em Lucas, João é chamado por Deus no deserto, mas prega na zona do rio Jordão, bastante povoada; ao passo que em Mateus e Marcos, prega no deserto.

 

»» O Evangelho do III DOMINGO DO ADVENTO (15 de Dezembro) está igualmente centrado na figura de João Baptista, agora rodeado pelas multidões que lhe perguntam «Que havemos de fazer?» e por arrependidos de vários estratos sociais e profissionais, que lhe pedem conselho nos passos da justiça e da solidariedade. E João vai anunciando a Boa-Nova com exortações dirigidas à vida, confirmando o arrependimento do povo com o baptismo na água. Mas previne: «está a chegar quem é mais forte do que eu… Ele vos baptizará com o Espírito Santo e com o fogo» (Lc 3,10-18).

 

Antes do Evangelho, a estrofe do Aleluia põe na boca de João o texto de Isaías que Jesus irá proclamar na sinagoga de Nazaré: «O Espírito do Senhor está sobre mim: enviou-me a anunciar a boa nova aos pobres» (Is 61,1; Lc 4,18). Talvez por isso, embora ele diga que o Messias «está a chegar», os outros textos falam como se já estivessem na sua presença: «O Senhor, Rei de Israel, está no meio de ti» (1ª Leitura: Sf 3,14-18a); «é grande no meio de vós o Santo de Israel» (Salmo: Is 12); «O Senhor está próximo» (2ª Leitura: Fl 4,4-7).

 

Daí os apelos à alegria, que caracterizam a Liturgia deste Domingo “Gaudete”: «Clama jubilosamente, filha de Sião; solta brados de alegria, filha de Israel. Exulta, rejubila de todo o coração, filha de Jerusalém» (1ª Leitura). Apelos, note-se, feitos a um povo que estava oprimido!

 

»» O IV DOMINGO DO ADVENTO vai ser celebrado mesmo na véspera do Natal (24 de Dezembro). Ao fim da tarde, já as famílias estarão sentadas à mesa da consoada; e à noite, a cantar o nascimento do Senhor.

 

As Leituras referem-se aos acontecimentos que prepararam de perto esse nascimento; ouvi-las numa das Missas da manhã, poderá ajudar os mais distraídos ou “ocupados” a centrarem as celebrações da noite no essencial… ou reparar alguns estragos feitos pela corrida às lojas.

 

:: Na Primeira, o profeta Miqueias promete à pequena cidade de Belém: «De ti sairá aquele que há-de reinar sobre Israel. Ele será a paz» (5,1-4a).

 

:: Na Segunda, a Carta aos Hebreus nomeia o descendente d’aquele rei Cristo, que, ao entrar no mundo, disse: «Eu venho, ó Deus, para fazer a tua vontade», dando assim pleno cumprimento à profecia (10,5-10).

 

:: No Evangelho, Lucas fala de sua Mãe – Maria, respondendo ao anjo Gabriel que lhe anunciara a escolha de Deus-Pai: «Eis a escrava do Senhor: faça-se em mim segundo a vossa palavra» (Aclamação), e sendo aclamada pela sua prima Isabel, mãe de João Baptista, que lhe chama «a Mãe do meu Senhor»: «Bendita és tu entre as mulheres e bendito é o fruto do teu ventre» (1,39-45).

 

Está tudo a postos! «Mostrai-nos, Senhor, o vosso rosto, e seremos salvos» (Refrão do Salmo 80). Não deixe que “outros preparativos” de última hora lhe roubem esta oportunidade espiritual da liturgia para acolher o seu Senhor e Salvador. Desejo-lhe um Natal muito Feliz… assim!

 

 

O Evangelho de Lucas lido no Natal

 

»» São Lucas é quem transmite o anúncio mais explícito do NASCIMENTO DO SENHOR: «Nasceu-vos hoje, na cidade de David, um Salvador, que é Cristo Senhor.» E os primeiros destinatários deste anúncio, feito pelos anjos, são «uns pastores que viviam nos campos e guardavam de noite os rebanhos».

 

Este “hoje” bem pode ser considerado o primeiro dia do resto da História da Salvação, pois nele se cumprem todas as promessas e profecias: a de Gabriel a Maria, pois ela «teve o seu Filho primogénito. Envolveu-o em panos e deitou-O numa manjedoura»; a de Miqueias, ouvida ontem, pois isto aconteceu em Belém, a cidade de David, aonde José e Maria tinham subido, da Galileia, para se recensearem; e a de Isaías, proclamada em cada noite de Natal: «um menino nasceu para nós, um filho nos foi dado… e será chamado Príncipe da paz» (1ª Leitura: Is 9,1-6), pois os anjos cantam na campina, quando do nascimento de Jesus: «Glória a Deus nas alturas e paz na terra aos homens por Ele amados» (Evangelho: Lc 2,1-14).

 

Se foi mesmo a 25 de Dezembro (pouco provável!), ou mais na Primavera, pouco interessa. Se fosse importante, Lucas tê-lo-ia dito. Mas há outras duas coisas importantes, no texto de Lucas: o lugar dado a Maria (já sublinhado na Imaculada Conceição e no IV Domingo), mulher simples de uma cidade insignificante, e aos pastores. Ao escrever para os gentios, Lucas não quis que eles se sentissem excluídos da salvação trazida por Jesus; por isso privilegiou os pastores, tidos por desprezíveis e malditos pelas elites sociais e religiosas da época por viverem à margem da sociedade e não frequentarem a sinagoga para estudar a Lei ou celebrar o Sábado. Um estímulo ou uma lição para nós, hoje: se desesperamos da salvação, ou se presumimos ter a salvação já garantida.

 

Permita-me esta sugestão: após reflectir antecipadamente os textos de hoje, faça em sua casa (ou na varanda ou alpendre com vista para a rua) um PRESÉPIO com os elementos e personagens neles referidos. E não dê ao pai-natal o lugar que lhe é dado pelo comércio. Natal é o Nascimento de Jesus, Salvador de todos os povos. Sem Ele no centro das celebrações, o dia pode não passar de um Carnaval antecipado e de mau gosto.  

 

»» A Festa da SAGRADA FAMÍLIA (31 de Dezembro) já nos mostra Jesus, com doze anos, a subir ao templo com os pais pela festa da Páscoa (Evangelho: Lc 2,41-52). Aos 12 anos, em Israel um adolescente era declarado “bar-mitsvá” (=filho da Lei) e considerado adulto na Lei, podendo proclamá-la e comentá-la na sinagoga.

 

Foi o que Jesus fez, dialogando de igual para igual com os doutores. O texto revela mais do que um jovem superdotado a desafiar os seus mestres com perguntas difíceis; Jesus tinha feito uma opção de vida: «Não sabíeis que Eu devo estar na casa de meu Pai?» É natural que os pais não entendessem. Mas respeitaram-no. Retribuindo, «Jesus desceu com eles para Nazaré e era-lhes submisso».

 

Quantos pais, como os de Jesus, ajudam os filhos a atingir um conhecimento sólido da fé e a maturidade suficiente para poderem testemunhá-la na sociedade actual? Iniciam-nos e acompanham-nos na prática religiosa? Preocupam-se com os seus (des)caminhos? Depois de os chamarem à responsabilidade, respeitam as suas opções fundamentais de vida – mesmo pelo sacerdócio e pela consagração religiosa?

 

»» Para a Solenidade de SANTA MARIA MÃE DE DEUS, a 1 de Janeiro de 2007, Dia da Paz, Bento XVI escolheu o lema: “A Pessoa humana é o coração da Paz.” Procure ler a sua Mensagem (clique aqui).

 

O Evangelho retoma a narrativa da noite de Natal (2,16-21), onde os pastores se agigantam: «dirigiram-se apressadamente para Belém e encontraram Maria, José e o Menino deitado na manjedoura. Quando O viram, começaram a contar o que lhes tinham anunciado sobre aquele Menino» e «regressaram, glorificando e louvando a Deus por tudo o que tinham ouvido e visto».

 

Afinal, “aqueles marginais” eram gente de sensibilidade apurada – tal como os gentios, destinatários de Lucas, que tinham chegado ao Messias pela via do Espírito e não pelo conhecimento da Lei mosaica.

 

»» Na Solenidade da EPIFANIA DO SENHOR (7 de Janeiro), um texto de Mateus confirma uma das características da teologia de Lucas: a universalidade da salvação. É o coroamento da Festa e do Tempo do Natal, como o Pentecostes o é relativamente à Páscoa. E, em ambos os casos, as testemunhas e beneficiários ultrapassam as fronteiras do “povo eleito” de Israel. Neste caso, são «uns Magos vindos do Oriente» (Mt 2,1-12).

 

 

O Evangelho de Lucas lido no Tempo Comum

 

»» Este ano, o BAPTISMO DO SENHOR é celebrado no dia seguinte à Epifania (8 de Janeiro). No seu Evangelho, Lucas fala da prisão de João antes do baptismo de Jesus. Por isso, merece especial atenção o final do texto de Lc 3, 21-22, hoje proclamado:

 

«Quando todo o povo recebeu o baptismo, Jesus foi também baptizado; e, enquanto orava, o Céu abriu-se e o Espírito Santo desceu sobre Ele em forma corporal, como uma pomba. E do Céu fez-se ouvir uma voz: “Tu és o meu Filho muito amado: em ti pus toda a minha complacência”.»

 

Quando Lucas escreveu, na Igreja primitiva existia um certo embaraço: o grupo dos chamados “joânicos” considerava João Baptista superior a Jesus, uma vez que Jesus tinha sido baptizado por ele. Lucas não podia eliminar o facto histórico do baptismo de Jesus. Mas, reconhecendo que «o povo estava na expectativa e todos pensavam em seus corações se João não seria o Messias», “elimina” João, insinuando que não foi ele quem O baptizou. Além disso, desvia a atenção da cena do baptismo, centrando o leitor na figura de Jesus em oração.

 

 

»» O II DOMINGO COMUM do ano C (14 de Janeiro) propõe o Evangelho das bodas de Caná, exclusivo de S. João (2,1-11). Com isto, pretende-se actualizar, no tempo da Igreja, as núpcias que Deus tinha celebrado com o seu povo no Antigo Testamento: «Não mais te chamarão “Abandonada”, nem à tua terra “Deserta”, mas hão-de chamar-te “Predilecta” e à tua terra “Desposada”, porque serás a predilecta do Senhor e a tua terra terá um esposo. Tal como o Jovem desposa uma virgem, o teu Construtor te desposará; e como a esposa é a alegria do seu marido, tu serás a alegria do teu Deus.» (1ª Leitura: Is 62,1-5).

 

Na Nova Aliança, o noivo é Jesus; e Maria, ao dar-lhe um corpo, é medianeira na sua boda com a humanidade. Uns 60 anos depois da ressurreição de Jesus, as talhas da Antiga Lei precisam de receber o seu vinho novo de amor gratuito e de alegria, para dessedentar os novos convidados.

 

 

»» A “leitura contínua” do Evangelho de Lucas, se assim podemos dizer, começa neste III DOMINGO COMUM (21 de Janeiro), com dois inícios: o Prólogo do autor (1,1-4) e o discurso inaugural do ministério de Jesus na sinagoga de Nazaré (4,14-21). Dois exclusivos deste Evangelho, distantes um do outro e de contextos diferentes, no texto original, mas ligados num mesmo texto pela Liturgia.

 

:: No PRÓLOGO, Lucas explica a Teófilo (=“amigo de Deus”? um nome próprio?) as etapas de construção do seu livro:

    ● os factos históricos relativos a Jesus,

    ● a sua transmissão oral pelos que «foram testemunhas

     oculares e ministros da palavra»,

    ● e a fixação por escrito feita pelo evangelista, «depois  

     de ter investigado tudo cuidadosamente desde as origens»…

 

E concretiza o seu objectivo ou finalidade: «para que tenhas conhecimento seguro do que te foi ensinado.» Uma chamada àquele leitor e a nós, para que no Evangelho continuemos a procurar os fundamentos da nossa fé.

 

:: No DISCURSO INAUGURAL Jesus proclama, após ler Isaías 61,1-2 e 42,7: «Cumpriu-se hoje mesmo esta passagem da Escritura que acabais de ouvir.» Há uma presença forte do Espírito, nestes passos de Jesus: desceu sobre Ele no baptismo, conduziu-o ao deserto (4,1) e impeliu-o a voltar para a Galileia (4,14); agora, «Jesus voltou da Galileia, com a força do Espírito» e declara: «O Espírito do Senhor está sobre mim.»

 

É mais uma característica de Lucas e deve ser uma convicção de qualquer um que se dispõe a anunciar a Boa-Nova: «Pode-se dizer que o Espírito Santo é o agente principal da Evangelização. É Ele, efectivamente, que impele para anunciar o Evangelho, como é Ele que no mais íntimo das consciências leva a aceitar a Palavra da salvação» (Paulo VI, Evangelii Nuntiandi, 1975, nº 75).

 

 

»» O texto do Evangelho deste IV DOMINGO COMUM (28 de Janeiro) retoma a declaração de Jesus na sinagoga de Nazaré, no final do Evangelho de Domingo passado, para seguir com a reacção dos seus ouvintes. E estes começaram com um testemunho favorável de admiração pelas «palavras cheias de graça que saíam da sua boca», mas logo se enredaram em razões humanas: «Não é este o filho do carpinteiro?»

 

Quando condicionamos a verdade da mensagem pelo nível social do mensageiro, o Espírito Santo é expulso do nosso espírito, e a semente da Palavra resvala pela nossa cabeça dura sem chegar ao coração (ver Mt 13,20-21). Assim foi com eles: levantaram-se, expulsaram Jesus da cidade e conduziram-no até ao alto de uma colina para o deitarem dali abaixo. «Mas Jesus, passando pelo meio deles, seguiu o seu caminho.» Não sem lhes dizer, antes, que «nenhum profeta é bem recebido na sua terra»; e lhes recordar que, por isso mesmo, já os profetas Elias e Eliseu tinham favorecido pessoas gentias, por não serem acolhidos pelo seu povo (Evangelho: Lc 4,21-30). A história repetia-se. E repete-se connosco, hoje, nas oportunidades perdidas para escutarmos o Evangelho e nos convertermos a Deus na pessoa do seu Profeta-Jesus.

 

Frei Lopes Morgado

 

 
Página Principal | Capuchinhos em Portugal | Contactos | Ficha Técnica | Sugestões

© 2006 Ordem dos Frades Menores Capuchinhos (Portugal)