PAZ e BEM! Bem-vindo à Página dos Frades Missionários Capuchinhos

Página Principal


São Francisco Assis


Espírito de Assis


Porciúncula


Ordem Capuchinhos


Missão em Timor


Onde Vivemos


Espaço Jovem


Música


Apontadores


 
Encontro com a Bíblia

Domingos de Outubro e Novembro

 

Domingos de Outubro e Novembro

Concluo neste artigo o comentário aos textos do Evangelho

dos Domingos de Outubro e Novembro,

com que termina o Ano Litúrgico B.

 

 

As Leituras do XXVII Domingo, no dia 8 de Outubro, prestam-se para proclamar o Evangelho da Família. Começando pela 1ª, que fala da criação da primeira mulher com a mesma dignidade do homem para ser «uma auxiliar semelhante a ele» de modo que se possa unir a ela e serem «os dois uma só carne» (Gn 2,18-24); seguindo pelo quadro familiar apresentado no Salmo 128 – o «homem abençoado que teme o Senhor», a esposa «como videira fecunda no íntimo do lar» e os filhos em redor da mesa «com ramos de oliveira» – e concluindo no Evangelho em que os fariseus colocam a Jesus a questão do divórcio: «Pode um homem repudiar a sua mulher?» (Mc 10,2-16). Temas actuais, embora vestidos com metáforas da família patriarcal, estilhaçada pela deflagração das nossas famílias.

 

 

Seguir Jesus, enfrentando qualquer exigência

 

» O Evangelho do Domingo XXVIII (dia 15 de Outubro) é um dos episódios relatados pelos três evangelistas Sinópticos e presta-se para uma leitura comparada dos textos. Mateus diz: «aproximou-se dele um jovem e disse-lhe: “Mestre, que hei-de fazer de bom, para alcançar a vida eterna?»; e diz que esse jovem «possuía muitos bens» (19,16-22). Segundo Lucas, «certo chefe perguntou-lhe, então: Bom Mestre, que hei-de fazer para alcançar a vida eterna?»; e «era muito rico» (18,8-23). Marcos acrescenta alguns pormenores de atitude, que ajudam a qualificar o personagem: «alguém correu para Ele e ajoelhou-se, perguntando: Bom Mestre, que hei-de fazer para alcançar vida eterna?» (10,17-30). Algumas notas:

 

1) Só Mateus diz que era um jovem; mas como, antes da reforma do Vaticano II, o seu texto é que era lido todos os anos, ainda hoje quase só se ouve falar do “jovem rico” e se diz que Jesus olhou para ele com afeição, mesmo quando o Evangelho proclamado é o de Marcos. Ora, Mc não fala de um jovem, mas apenas de alguém; e só Mc diz, acerca do seu personagem, que «Jesus, fitando nele o olhar, sentiu afeição por ele». Talvez porque, nos textos, só ele “corre” para Jesus e “se ajoelha” diante dele, além de o considerar “bom”. O seu coração já teria igual afeição por Jesus, sendo mais receptivo à graça. Daí, também, o maior acento na sua reacção: «ficou de semblante anuviado» e «retirou-se pesaroso». Faz lembrar a semente da parábola, que brotou depressa mas logo secou porque a terra era pouca e a raiz não tinha profundidade (Mt 13,5-6).

 

2) Ao falar de uma alguém indefinido, Marcos confronta cada leitor com o texto, desafiando-o a apropriar-se dele e a sentir-se julgado por ele. Ou seja, não nos permite transferir as nossas expectativas ou frustrações para os jovens que não correspondem ao amor e chamamento de Cristo, como se nós não fôssemos também chamados a segui-lo; ou, aplicando aos religiosos: como se os postulantes ou noviços devessem ser mais perfeitos do que os professos de votos perpétuos. Os textos (mesmo o do jovem) não podem continuar a ser “explorados” para falar apenas das vocações dos jovens ao sacerdócio ou à vida consagrada; eles falam da vocação de seguir Jesus como seus discípulos, comum a todos os cristãos, e das exigências por vezes radicais para lhe sermos fiéis, apesar de tudo e de todos.

 

3) Repare-se, em Marcos, na sequência de cinco verbos, todos no imperativo: vai, vende, , vem, segue-me. Na expressão «vende tudo o que tens», pode haver uma base para se falar da vocação dos religiosos, que «encarnam a Igreja desejosa de se entregar ao radicalismo das bem-aventuranças» e que, «graças à sua consagração religiosa, são por excelência voluntários e livres para deixar tudo e ir anunciar o Evangelho» (Paulo VI, EN 69); ou devem ser. Mas essa proposta não pode ser feita apenas aos mais jovens.

 

 

Da presunção do preferido à fé do marginalizado

 

» O Evangelho de Marcos tem duas partes, ambas coroadas por uma confissão de fé. A primeira, de Pedro, em 8,29: «Tu és o Messias!»; a segunda, do centurião romano, em 16,39: «Verdadeiramente este homem era filho de Deus!» O episódio narrado no XXIX Domingo (22 de Outubro) já se situa na 2ª parte e ocorre após Jesus ter feito o 3º anúncio da sua Paixão (8,31-32; 9,30-32; 10,32-34). Por isso é mais chocante. Jesus acaba de dizer que «hão escarnecê-lo, cuspir sobre Ele, açoitá-lo e matá-lo» (10,34); e dois dos seus apóstolos, preparados para essa hora, pedem que lhes reserve os dois melhores lugares do reino: um à sua direita e outro à sua esquerda (Mc 10,35-45). E mais chocante ainda, é serem os próprios Tiago e João a pedi-lo, e não a sua mãe, como se lê em Mateus 20,20-28.

 

Até certo ponto, compreende-se, atendendo ao contexto. O evangelista diz que «iam a caminho, subindo para Jerusalém, e Jesus seguia à frente deles. Estavam espantados, e os que seguiam estavam cheios de medo.» Repare-se: era o grupos dos Doze, especialmente chamados por Jesus «para estarem com Ele e para os enviar a pregar» (3,13-19); Tiago e João até foram, com Pedro, os três escolhidos por Jesus para o acompanharem em momentos especiais da sua vida, como a Transfiguração (9,2) e a oração em Getsémani (14,32). Mas, pelos vistos, estes discípulos, embora Jesus fosse «à frente deles», não tinam certeza de serem bem guiados; e embora «seguissem» atrás, três anos depois ainda não tinham deixado tudo para “O seguir”. Neste caso, resolver aproveitar a ocasião enquanto é tempo e antes que tudo se desmorone – não é prudência evangélica, mas falta de confiança no Mestre, desumanidade e oportunismo carreirista.

 

«Não entendiam esta linguagem e tinham medo de o interrogar», diz Marcos (9,32). E resolveram atacar na pior ocasião de todas. Por isso, Jesus talvez já não tenha grande esperança de ser melhor entendido. Mas, depois de se referir ao modo como os governantes impõem a sua autoridade, sempre lhes vai dizendo: «Não deve ser assim entre vós. Quem quiser ser grande entre vós, faça-se vosso servo e quem quiser ser o primeiro entre vós, faça-se o servo de todos» (10,43). É a lei do amor, da solicitude missionária e do serviço, de que fala Bento XVI na sua Mensagem para o Dia das Missões, que hoje celebramos, referindo-se à parábola do bom samaritano (Lc 10,29-37).

 

» Nem de propósito, o XXX Domingo (29 de Outubro) apresenta-nos o contraste de um cego, chamado Bartimeu: «Ao ouvir dizer que era Jesus de Nazaré que passava, começou a gritar: “Jesus, Filho de David, tem piedade de mim!” Muitos mandavam-no calar, mas ele gritava cada vez mais. Até que Jesus o mandou chamar. Diante de Jesus, acredita totalmente nele e diz: «Mestre, que eu veja!» E, uma vez curado graças à sua fé, «seguiu Jesus pelo caminho».

 

Ser preferido cria maus hábitos e pode levar a exigir aquilo que não é devido. Daí o despudor dos dois apóstolos preferidos de Jesus, no Domingo passado: «Mestre, nós queremos que nos faças o que te vamos pedir» (Mc 10,36). Dependente e inseguro, devido à sua falta de visão física, o cego amadureceu por dentro e estava predisposto a qualquer sacrifício para obter a visão. Recebida mais esta “esmola” definitiva, logo seguiu Jesus incondicionalmente, como um discípulo de longa data. Quanta fé e generosidade em muitos que são mandados calar e considerados indignos de uma nova oportunidade! E quanta presunção, nos que os pretendemos silenciar e manter à margem!

 

 

O amor (a Deus e ao próximo) e os sacrifícios

 

» No Domingo XXXI, a 05 de Novembro, Jesus proclama o primado absoluto do amor a Deus (o Chemá), em resposta à pergunta de um escriba: «Qual é o primeiro de todos os mandamentos?» E acrescenta: «O segundo é este: ‘Amarás o teu próximo como a ti mesmo’. Não há nenhum mandamento maior que estes.» O escriba concorda, até ao ponto de mostrar grande abertura num campo sensível para o culto oficial de então: amar a Deus e ao próximo «vale mais que todos os holocaustos e sacrifícios.» Ao ver tão grande coincidência com o fundamental que Ele próprio vinha pregando, por vezes com escândalo dos fariseus, Jesus sublinha: «Não estás longe do reino de Deus.» Vendo certos holocaustos e sacrifícios, pergunto-me se muitos cristãos, vinte séculos depois, terão este critério de valor e prioridade confessado pelo escriba…

 

» Pelo Evangelho do Domingo XXII (12 de Novembro) entendemos melhor a palavra de Jesus ao escriba, no Domingo passado. É que os fariseus (os “separados”, por se considerarem melhores do que “os outros”) continuam a dar mais valor às aparências exteriores do que à verdade do coração. Gostam de se exibir: pelas vestes, os cumprimentos e os primeiros lugares nas sinagogas e nos banquetes. Mas são lobos vestidos de cordeiros: «Devoram as casas das viúvas com pretexto de fazerem longas rezas. Estes receberão uma sentença mais severa.» E, ao ver como muitos ricos deitavam quantias avultadas na arca do tesouro do templo, Jesus contrapõe o exemplo da viúva que, ao deitar «duas pequenas moedas, deitou na caixa mais do que todos os outros. Eles deitaram do que lhes sobrava, mas ela, na sua pobreza, ofereceu tudo o que tinha, tudo o que possuía para viver». A 1ª Leitura reforça este exemplo com o da viúva de Sarepta, que, para alimentar o profeta Elias, gastou o pouco azeite e o punhado de farinha que restava para ela e o filho comerem e esperarem a morte (1 Rs 17,10-16). Tal como no caso do cego, mais uma vez os carentes e insignificantes da sociedade dão lições de generosidade e confiança no futuro aos que ocupam os primeiros lugares não para servir e dar exemplo, mas para espiar, presumir e condenar.

 

 

Jesus Cristo: de servo anónimo a Rei do Universo

 

» No Antigo Testamento, a Bíblia traçara dois perfis do futuro Messias: o de um “Servo” esmagado pelo sofrimento, de que falou Isaías 53,10-11 na 1ª Leitura do XXIX Domingo; e o do “Filho do Homem” triunfador e majestoso, de que fala Daniel 12,1-3 na 1ª Leitura deste Domingo XXXIII (19 de Novembro). Em vida, Jesus encarnou o modelo do servo; no fim dos tempos, o Evangelho de hoje diz que «hão-de ver o Filho do Homem vir sobre as nuvens, com grande poder e glória» (Mc 13,24-32). O texto situa-se no chamado discurso “escatológico”, no qual, com uma linguagem herdada do profeta Daniel, a Comunidade de Marcos faz uma leitura crente dos acontecimentos políticos e sociais de então, como se o mundo fosse acabar naqueles dias. A partir daí, profetas agoirentos tentaram aplicá-lo a cada época. Para muitos, o ano 2000 era o prazo limite. E depois de 2001, desde que o medo cedeu ao terrorismo, não tem faltado auditório para estes pretensos iluminados.

 

» No Domingo XXXIV celebramos, a 26 de Novembro, a Solenidade de Nosso Senhor Jesus Cristo, Rei do Universo, e encerramos este ano B da Liturgia. E não é Marcos quem apaga a vela, mas João, para nos recordar as palavras de Jesus a Pilatos: «O meu reino não é deste mundo… o meu reino não é daqui» (Jo 18-33b-37). Mas, como se constrói a partir daqui, continuamos a rezar: «Venha a nós o vosso reino»; e no próximo Domingo começaremos um novo ano litúrgico, para ver se finalmente conseguimos dar este nome à cidade: «O Senhor é a nossa justiça» (Jr 33,14-16: 1ª Leitura do próximo Domingo).

 

 

frei Lopes Morgado

 

 
Página Principal | Capuchinhos em Portugal | Contactos | Ficha Técnica | Sugestões

© 2006 Ordem dos Frades Menores Capuchinhos (Portugal)