<%@ Language=VBScript %> Ordem dos Frades Menores Capuchinhos

PAZ e BEM! Bem-vindo à Página dos Frades Missionários Capuchinhos

Página Principal


São Francisco Assis


Espírito de Assis


Porciúncula


Ordem Capuchinhos


Missão em Timor


Onde Vivemos


Espaço Jovem


Música


Apontadores


 
Encontro com a Bíblia

Ser Profeta, Hoje

Os livros Proféticos constituem

outro dos sectores ou estantes na “biblioteca” da Bíblia.

Mas os seus autores estão bem identificados pelos nomes,

que até servem de título aos livros –

quer tenham sido escritos pelo autor a que são atribuídos,

quer, na maioria dos casos, por discípulos seus.

PROFETA: vidente de olhar lúcido

Para definir o profeta, costuma-se escolher o texto do livro dos Números 24,3-4.16. Nele, é o próprio profeta Balaão, quem se apresenta como

«... o homem de olhar penetrante;

que escuta as palavras de Deus,

que tem a visão do Omnipotente,

que se prostra, mas de olhos abertos.» (vv.3-4)

O vers. 16 reproduz sensivelmente o mesmo, acrescentando:

«e conhece a sabedoria do Altíssimo».

Ou seja: o profeta (ou profetisa)

:: é uma pessoa humana normal, de qualquer cultura, classe social, profissão ou situação económica (ex.: Isaías, teólogo-poeta; Amós, pastor);

:: tem um olhar atento, sensível para captar a vida para além do real e aparente (penetrante);

:: é tocado pelas palavras de Deus – não directamente faladas por Ele ao seu ouvido, mas intuídas por uma leitura orante da Lei, uma atenção especial aos sinais dos tempos, às lições da vida (espírito “sapiencial”) ou às constantes da História;

:: tem uma experiência contemplativa de Deus (no texto: visão), que pode acontecer num acto de culto no templo, no meio de uma guerra ou em plena festa para celebrar uma vitória nacional ou a coroação do rei; em momento de glória do seu povo, ou em momento de invasão iminente;

:: aceita a missão por um acto de obediência (prostra-se), mas mantém a sua liberdade e responsabilidade (de olhos abertos), fala e actua segundo a sua cultura ou a partir das suas referências de vida;

:: a sua intervenção (oráculo) pode ser oralmente, por escrito (em forma de oração, discurso, parábola) ou por acção simbólica.

Nem todos os profetas deixaram obra escrita, mas intervieram ao longo da história do povo eleito, como:

:: Natan (anúncio feito a David em 2 Sm 7 e denúncia em 2 Sm 12);

:: Elias e Eliseu (vida e actuação: 1 Rs 17 a 2 Rs 12; denúncia dos falsos profetas, em 1 Rs 18-19 e de Nabot, em 1 Rs 21).

Entre as mulheres destaca-se «Débora, profetisa, mulher de Lapidot, que exercia por essas alturas as funções de juiz em Israel» (Jz 4,4).

VOCAÇÃO: “Eu te consagrei e constituí...”

Não é profeta quem quer, mas quem Deus chama. O relato de vocação mais característico é o de Jeremias (ler Jr 1,4-12). Por ele, conhecemos:

A iniciativa de Deus:

«Antes de te haver formado no ventre materno,

Eu já te conhecia;

antes que saísses do seio de tua mãe,

Eu te consagrei e te constituí profeta das nações.» (v. 4-5)

A renitência do chamado:

«Ah! Senhor Deus,

eu não sei falar, pois ainda sou um jovem.» (v. 6)

A insistência e protecção de Deus:

«Não digas: “Sou um jovem.”

Pois irás aonde Eu te enviar

e dirás tudo o que Eu te mandar.

Não terás medo diante deles,

pois Eu estarei contigo.» (v.7-8)

A missão confiada:

«Eis que ponho as minhas palavras na tua boca; a partir de agora, dou-te poder sobre os povos e sobre os reinos, para arrancares e demolires, para arruinares a destruíres, para edificares e plantares.» (v. 9-10)

Isto faz com que o profeta seja chamado «homem de Deus» (2 Rs 7,18) e tenha a consciência de agir em nome de Deus, contra a própria vontade e mesmo à custa da própria vida: «Assim ordenou o Senhor» (Débora: Jz 4,6); «Foi segundo estas palavras e esta visão que Natan falou a David» (2 Sm 7,17).

MISSÃO: denunciar, anunciar, reconciliar

Em síntese, o profeta chamado por Deus anuncia boas-novas e denuncia infidelidades, sempre em função de reconduzir os

responsáveis ou as pessoas individuais à aliança com o Deus fiel revelado como Esposo de Israel, sua esposa (ver Oseias 2).

Podemos exemplificar o exercício desta tríplice função com Isaías 1,2-10. Abra a Bíblia, leia e verifique:

denúncia (1,2-15): contra o culto sem espírito ou a fé divorciada da vida.

anúncio (1,16-17): proposta de vida diferente.

aliança (1,18-19): oferta de reconciliação.

Para mais exemplos, pode continuar a ler Isaías até ao capítulo 5 inclusive.

Nesta hora de convites e solicitações para o anúncio e a missão, peçamos a graça de responder, como Isaías (6,8):

«Eis-me aqui, envia-me.»

frei Lopes Morgado

 

 
Página Principal | Capuchinhos em Portugal | Contactos | Ficha Técnica | Sugestões

© 2005 Ordem dos Frades Menores Capuchinhos (Portugal)