PAZ e BEM! Bem-vindo à Página dos Frades Missionários Capuchinhos

Página Principal


São Francisco Assis


Espírito de Assis


Porciúncula


Ordem Capuchinhos


Missão em Timor


Onde Vivemos


Espaço Jovem


Música


Apontadores


 
Missão em Timor

Textos Diversos

download da mensagem em tétum (pdf)

 

 

 

Amu-Papa Bento XVI nia lia-tatoli ba Jornada Mundial Ema moras nian iha loron 11.02.2007

 

 

Maun no biin-alin doben sira

 

Iha loron 11 Fevereiru 2007, bainhira Kreda selebra Na’i Feto Lourdes ninia memoria litúrjika, ita sei komemora iha Seul, iha Coreia, XV Loron Mundial Ema moras nian. Enkontru, konferénsia, reuniaun pastorál no selebrasaun litúrjika barak-barak sei hala’o ho Kreda iha Coreia nia reprezentante sira, ho ema ne’ebé servisu iha saúde, ho ema moras no sira-nia família. Dala ida tan, Kreda tau matan ba sira ne’ebé terus no bolu atensaun ba ema moras ne’ebé la bele hetan kura, sira barak ne’e mate daudaun ho moras todan liu.

 

Mensagem de Bento XVI para a Jornada Mundial do Enfermo de 11.02.2007

 

 

Queridos irmãos e irmãs


No dia 11 de Fevereiro de 2007, quando a Igreja celebra a memória litúrgica de Nossa Senhora de Lourdes, será comemorado em Seul, na Coreia, o XV Dia Mundial do Doente. Numerosos encontros, conferências, reuniões pastorais e celebrações litúrgicas terão lugar com representantes da Igreja que está na Coreia, com o pessoal que trabalha no campo da saúde, com os enfermos e as suas famílias. Mais uma vez, a Igreja dirige o seu olhar para aqueles que sofrem e chama a atenção para os doentes incuráveis, muitos dos quais estão a morrer de enfermidades terminais.

 

Ita bele hetan sira iha kontinente sira hotu, liuliu iha fatin ne’ebé pobreza no susar lori ba moris kasian (kiak rabat rai) no terus barak liu. Hodi hanoin terus ida-ne’e ha’u sei hela iha espíritu prezente iha Loron Mundial Ema moras nian, hamutuk ho sira ne’ebé sei hasoru malu atu ko’alia kona-ba moras ne’ebé la bele hetan kura iha ita-nia mundu no fó aten-boot ba esforsu ne’ebé komunidade sarani halo hodi fó sasin kona-ba Maromak nia laran-maus no laran-luak.

 

Eles encontram-se em todos os continentes, particularmente em lugares onde a pobreza e as dificuldades causam misérias e dores imensas. Consciente de tais sofrimentos, estarei espiritualmente presente no Dia Mundial do Doente, unido com aqueles que se hão-de encontrar para debater sobre o flagelo das doenças incuráveis no nosso mundo e encorajar os esforços das comunidades cristãs no seu testemunho da ternura e da misericórdia do Senhor.

Moras lori mai, nafatin, momentu ida krize no konfrontasaun ho ema nia situasaun rasik. Progresu ne’ebé iha siénsia kona-ba saúde hetan tiha ona ho frekuénsia buat ne’ebé nesesáriu atu hato’o dezafiu ida-ne’e, pelumenus kona-ba buat ne’ebé respeita ba aspetu fíziku. Maski nune’e, ema nia moris iha limite intrínseku sira no mós sei la kleur bele ramata ho mate. Ne’e mak esperiénsia ida ne’ebé ema hotu-hotu sei hasoru hodi prepara an ba nia. Maski siénsia nia progresu, ita la bele hetan kura ba moras sira hotu, no nune’e iha ospitál, iha ospísiu no iha uma ba katuas no ferik sira iha mundu tomak ita hasoru terus husi ita-nia maun no biin-alin sira barak ne’ebé la bele hetan kura no, dala barak, moras todan liu. Maski ne’e, ema rihun ba rihun iha ita-nia mundo koko daudaun kondisaun moris nian nebe’é la di’ak no la iha asesu ba rekursu médiku oioin ne’ebé nesesáriu liu, dala barak tipu elementár, ho rezultadu katak ema ne’ebé ita konsidera la bele hetan kura haburas daudaun liután.

A doença traz consigo, inevitavelmente, um momento de crise e de sóbrio confronto com a própria situação pessoal. O progresso nas ciências da saúde oferecem com frequência os meios necessários para ir ao encontro deste desafio, pelo menos no que diz respeito aos seus aspectos físicos. Contudo, a vida humana tem limites intrínsecos e, mais cedo ou mais tarde, termina com a morte. Trata-se de uma experiência à qual cada ser humano é chamado e para a qual deve estar preparado. Não obstante os progressos da ciência, não se pode encontrar uma cura para todas as doenças, e assim nos hospitais, nos hospícios e nos lares do mundo inteiro encontramos os sofrimentos dos nossos numerosos irmãos e irmãs que são doentes incuráveis e, muitas vezes, terminais. Além disso, muitos milhões de pessoas no nosso mundo ainda experimentam condições de vida insalubres e não têm acesso aos recursos médicos extremamente necessários, muitas vezes dos tipos mais elementares, com o resultado de que o número de seres humanos considerados "incuráveis" tem aumentado enormemente.

 

Kreda hakarak tulun ema moras ne’ebé la bele hetan kura no ema moras todan liu, hodi hanoin polítika sosiál justa ne’ebé bele kontribui atu halakon buat ne’ebé lori hetan moras barak no husu atu hadi’a kuidadu sei fó ba moribundu sira no sira-ne’ebé asisténsia medika la iha. Presiza promove polítika ne’ebé hakiak kondisaun hirak tulun ema bele moris ho dignidade mós moras ne’ebé la bele hetan kura no mate. Oras ne’e, ita presiza fó kbiit dala ida tan ba nesesidade atu harii sentru ba kura paliativa (sentru atu hatun ema nia terus), ne’ebé hato’o kuidadu integrál, hodi fó nune’e ba ema moras asisténsia no akompañamentu espirituál ne’ebé sira presiza. Ne’e mak direitu ida ne’ebé ema hotu-hotu iha, no ita tenke kompromete an atu sori nia.

A Igreja deseja ajudar os doentes incuráveis e terminais, suscitando políticas sociais justas que possam contribuir para eliminar as causas de numerosas enfermidades e exortando a melhorar o cuidado reservado aos moribundos e àqueles que não dispõem de assistência médica. É necessário promover políticas que criem condições em que os seres humanos possam viver de maneira digna também as doenças incuráveis e a morte. Agora, é preciso ressaltar novamente a necessidade de mais centros de cura paliativa, que ofereçam cuidados integrais, proporcionando assim aos enfermos a assistência humana e o acompanhamento espiritual de que precisam. Trata-se de um direito que pertence a cada ser humano, e todos nós temos o dever de nos comprometermos em defendê-lo.

 

Oras ne’e, ha’u hakarak fó aten-boot ba haka’as-an hosi ema ne’ebé servisu loroloron atu iha serteza ne’ebé ema moras ne’ebé la bele hetan kura no ema moras ne’ebé todan liu, hamutuk ho sira-nia família, simu kuidadu ho domin ne’ebé loos. Hodi tuir Samaritanu Di’ak nia hahalok, Kreda hatudu nafatin nia atensaun espesiál ba ema moras. Hodi nia membru ida-idak no instituisaun sira, nia hela nafatin iha ema ne’ebé terus nia sorin no fó atensaun ba moribundu sira, hodi buka defende sira-nia dignidade iha momentu ida-ne’e ne’ebé importante tebes ba ema nia ezisténsia. Profisionál barak-barak ne’ebé servisu iha saúde, ajente pastorál no voluntáriu sira hosi instituisaun sira-ne’e, iha mundu tomak, la kole tuir nafatin fó laran ba ema moras, iha ospitál, iha sentru ba kura paliativa (sentru atu hatun ema nia terus), iha sidade nia lurón sira, iha bairru sira no iha parókia sira.

Agora, gostaria de encorajar os esforços envidados por aqueles que trabalham diariamente para assegurar que os enfermos incuráveis e terminais, juntamente com as respectivas famílias, recebam o adequado cuidado amoroso. Seguindo o exemplo do Bom Samaritano, a Igreja manifestou sempre a sua especial solicitude pelos enfermos. Através dos seus membros individualmente e das suas instituições, ela continua a estar ao lado dos que sofrem e a assistir os moribundos, enquanto procura salvaguardar a sua dignidade nestes momentos significativos da existência humana. Muitos destes indivíduos profissionais que trabalham no campo da saúde, agentes pastorais e voluntários destas instituições, no mundo inteiro, continuam a assistir incansavelmente os doentes, tanto nos hospitais como nas unidades de cura paliativa, quer pelas ruas das cidades, quer nos projectos habitativos e nas paróquias.

 

Oras ne’e ha’u fila an ba imi, maun no biin-alin doben sira ne’ebé terus tanba moras ne’ebé la bele hetan kura no moras todan liú. Ha’u aten boot ba imi atu hateke ba Kristu iha Krús nia terus no, hamutuk ho Nia, hasa’e lia ba ita-nia Aman ho laran-metin katak ita-nia moris, no liuliu imi-nia moris, iha Nia liman. Bele fiar katak imi nia terus, hamutuk ho Kristu nia terus, sei sai buat ne’ebé di’ak ba Kreda no mundu nia nesesidade. Ha'u husu ba Na’i atu halo buras imi-nia fiar iha ninia domin, liuliu iha momentu terus sira-ne’e ne’ebé imi koko daudaun. Ha’u-nia esperansa mak imi, iha fatin hotu-hotu, bele hetan nafatin aten-boot no kbiit espirituál ne’ebé imi presiza atu fó-han ba imi-nia fiar no atu hakbesik liután Aman Moris nian. Hosi amlulik no ajente pastorál sira, Kreda hakarak tulun imi no hela iha imi nia sorin, hodi fó-tulun ba imi bainhira imi presiza, no hodi halo prezente Kristu nia laran-luak no domin ba sira hotu ne’ebé terus.

Agora dirijo-me a vós, meus queridos irmãos e minhas amadas irmãs que sofreis de doenças incuráveis e terminais. Encorajo-vos a contemplar os sofrimentos de Cristo crucificado e, em união com Ele, a dirigir-vos ao Pai com completa confiança de que toda a vida e de maneira particular as vossas vidas estão nas suas mãos. Tende a certeza de que os vossos sofrimentos, unidos aos de Cristo, hão-de ser úteis para as necessidades da Igreja e do mundo. Peço ao Senhor que fortaleça a vossa fé no seu amor, de forma especial durante estes momentos de prova que vós estais a experimentar. A minha esperança é de que, onde quer que estejais, encontreis sempre o encorajamento e a fortaleza espirituais necessários para alimentar a vossa fé e para vos aproximar mais do Pai da Vida. Por intermédio dos seus sacerdotes e dos seus agentes pastorais, a Igreja deseja ajudar-vos e permanecer ao vosso lado, assistindo-vos na vossa hora de necessidade, e assim tornando presente a misericórdia amorosa de Cristo por aqueles que sofrem.

 

Atu ramata, ha'u husu ba komunidade ekleziál iha mundu tomak, liuliu ba sira ne’ebé servisu  ho ema moras, atu tuir, ho Maria, Salus Infirmorum, nia tulun, fó sasin lolós kona-ba ita-nia Na’i Maromak nia domin ba’in. Ami husu atu Virjen rahun-di’ak, ita-nia Inan, bele fó-ksolok ba ema ne’ebé moras no tulun ema hotu-hotu ne’ebé fó laran daudaun ne’ebé nu’udar Samaritanu Di’ak, atu kura ema ne’ebé terus nia kanek fíziku no espiritual oioin. Hamutuk ho imi ida-idak iha ha’u-nia hanoin no orasaun, ha’u fó ba imi, ho néon ho laran ha’u-nia Bensaun Apostólika nu’udar kbiit no dame iha Na’i.

Em síntese, exorto as comunidades eclesiais do mundo inteiro, e de forma particular as que se dedicam ao serviço dos enfermos, a continuarem com a assistência de Maria, Salus Infirmorum, a dar testemunho concreto da solicitude amorosa de Deus, nosso Pai. Que a Bem-Aventurada Virgem, nossa Mãe, conforte as pessoas que estão doentes e assista todos aqueles que têm dedicado a própria vida, como Bons Samaritanos, para curar as feridas físicas e espirituais de quem sofre. Unido a cada um de vós no pensamento e através da oração, concedo-vos do íntimo do coração a minha Bênção Apostólica como penhor de fortaleza e de paz no Senhor.

 

Vatikanu, 8 Dezembru 2006


BENEDICTUS PP. XVI

 

Vaticano, 8 de Dezembro de 2006


BENEDICTUS PP. XVI

 

 

 

 

Tradusaun: frei Hermano Filipe, OFMCap.

Revizaun:   frei Fernando Alberto, OFMCap.

 

 
Página Principal | Capuchinhos em Portugal | Contactos | Ficha Técnica | Sugestões

© 2007 Ordem dos Frades Menores Capuchinhos (Portugal)