PAZ e BEM! Bem-vindo à Página dos Frades Missionários Capuchinhos

Página Principal


São Francisco Assis


Espírito de Assis


Porciúncula


Ordem Capuchinhos


Missão em Timor


Onde Vivemos


Espaço Jovem


Música


Apontadores


 
Notícias da Missão

Onde estão os pobres?

 

 

ONDE ESTÃO OS POBRES?

 

O Natal, entre nós, começou com a chegada de um contentor, através da Embaixada de Portugal. Livros, louças, toalhas e computadores. Além destas frutas secas para o Natal intemporal e sem prazo de validade, vinham outras para consumo imediato, como figos, passas, pinhões e vinhos. Tudo chegou em boas condições, ao lugar próprio, às pessoas certas, na hora exacta.

 

O Natal continuou com a Missa da GNR, na igreja de Motael, por iniciativa do comandante Barradas. Apenas numa noite, em poucas horas, dois sargentos mobilizaram um grupo coral de 15 homens, trocando as armas automáticas por partituras de música. Frei Rito presidiu a esta festa antecipada do Natal, na qual estavam presentes cerca de 70 elementos, os que foi possível juntar, sem prejuízo do serviço a cumprir àquela hora.

 

O dia de Natal foi celebrado por nós em Laleia. Os postulantes tinham partido para férias, a paróquia de Motael tinha assegurados os serviços pastorais, frei Fernando Alberto estava em Portugal; havia um convite natural para passar o Natal em Laleia. Frei Pedro, Rito e Hermano, em viatura ainda em regime de experiência, rumaram à terra natal de Xanana Gusmão. Ali pudemos suavizar o trabalho pastoral de Frei Mário e celebrar em família a Festa.

 

 

Na noite de Natal, Frei Pedro celebrou em Kairui, Frei Mário em Samalai e Frei Rito em Laleia. Dentro das duas línguas oficiais, cada um celebrou na que lhe foi possível.

 

Além deste espírito de fraterna ajuda e de convívio, bacalhau foi ingrediente que também não faltou na ementa natalícia. Os nossos familiares, as fraternidades e os Grupos de Animação Missionária esmeraram-se em estar presentes não apenas espiritualmente (que é o mais importante), mas também materialmente (pois “o mais importante”, nem sempre chega para “o que é necessário”).

 

Costumamos colocar os ricos aqui e os pobres ali. Diante do presépio de Samalai, ninguém sabe onde estão uns e onde estão os outros.

 

Frei Manuel Rito Dias,

Díli, 26 de Janeiro de 2007

 

 
Página Principal | Capuchinhos em Portugal | Contactos | Ficha Técnica | Sugestões

© 2007 Ordem dos Frades Menores Capuchinhos (Portugal)